terça-feira, 20 de setembro de 2011

Qual é sua Natureza?

Eu preservo a minha natureza. E ela é, sem resquício de dúvida, questionadora. Falo disto não para me enaltecer, antes para explicar a você a minha indignação.  Na casa da minha infância, por exemplo,  havia muitas árvores, que fechavam praticamente a entrada.  Em virtude disto muitos ,mas muitos pássaros se abrigavam lá. Nosso vizinho reclamava constantemente do barulho que estes pequenos seres em bando produziam ao começo e ao final do dia. Lembro-me perfeitamente de meus pensamentos a respeito: como pode uma pessoa ser assim? Amava ver aqueles pássaros chegando em bandos, na algazarra de quem volta pra casa.
Hoje, morando num sítio que é brindado com a visita diária de tucanos, aratacas, pica-paus, gaviões entre tantos outros tenho um vizinho que mandou construir a casa com paredes duplas para não ouvir barulhos.É essa estranha natureza humana de alguns curitibanos.
Em constante evolução, as pessoas mudam seus pensamentos e suas atitudes conforme seu entendimento. Pai Fernando sempre fala que filhas de Yansã têm o maior orgulho de falar que são brabas e isso é burrice. Concordo plenamente. Ter orgulho de uma coisa que só faz sofrer não é legal, então tento domar sempre este meu lado e evoluir. Minha natureza, a centelha divina que me rege, não me permite brincar de 'siga o chefe" , antes  me faz ponderar sobre a verdade dos fatos e procurar sempre segui-las.
Um destes dias um amigo lá no terreiro me veio com uma afirmativa: creio que para nossa evolução, em cada reencarnação, somos filhos de um orixá. Prontamente, afirmei: não me vejo em nenhuma vida sendo outra coisa que não seja ser filha de Yansã querido, simplesmente porque é a parte Divina que me rege, e esta é imutável. Já ouvi gente falando que evoluímos até chegar no ponto que possamos ser filhos de Oxalá. Besteiras e mais besteiras. Esquecemos, por vezes, que estamos todos no mesmo barco e se cada um remar num sentido, não saímos do lugar. Fazemos parte do Divino e cada parte Dele compõe o todo. Você faria um transplante e colocaria pés no lugar de suas mãos? Não teria utilidade não é? Cada ser tem uma função neste mundo.
Falando sobre a natureza das coisas e engatando uma marcha em direção da primavera, aproveito para deixar aqui um questionamento pessoal. Curitiba gasta fortunas para divulgar que somos uma cidade de primeiro mundo, principalmente no quesito  proteção ambiental. Acho bonito. Temos uma infindável quantia de parques ,cada um com sua característica própria. Só nos falta um pouco mais de sol para aproveitarmos com mais frequência, mas tudo bem.  Porém a nossa política de preservação ambiental é meio confusa. Alguém pode me responder porquê, em todos os parques desta cidade, quando temos sol e calor, são permitidos carros com som altíssimo e jovens fazendo algazarra depois de ingerir álcool, sujando tudo por onde passam? São coisas que não entendo.
As pessoas que vão aos parques têm direito ao som dos pássaros ,ao cheiro das árvores e a recarregar a centelha Divina que têm em seu interior.Mas isto não ocorre só em parques.  Eu e meus filhos saímos no último domingo e na volta esperávamos um táxi no centro de Colombo. O centro desta cidade tem poucas quadras e você a percorre inteira em poucos minutos. De repente param três carros, com jovens altamente alcoolizados ,com som alto ,e  começam a subir e dançar em cima de máquinas potencialmente, nesta altura, suicidas. Meus filhos assustadíssimos, perguntam: por que eles fazem isso ? Porque a primavera deles já não tem sentido.
O que nos falta para reconhecer a vida? O que falta ao poder público para notar que muitos jovens estão perdendo a habilidade de ouvir a natureza e partindo em bandos para os umbrais das drogas, álcool e violência? Grito eu aqui como um quero-quero defendendo sua ninhada, mas espero sinceramente que vocês em seus espaços virtuais multipliquem a idéia de uma primavera com paz!  

A mandala acima foi feita pelo Marcelo Dalla 

Sobre os parques de Curitiba e a vergonhosa poluição sonora:

18 comentários:

  1. Não a muito tempo atrás me detive em um questionamento com uma dos médiuns do TPM sobre isso, com a ousadia inata em meu ser adentrei em meio ao debate onde expus aquilo que a muito se percebe, os valores se perderam e o mundo que conhecíamos está deixando de existir...muitas vezes somos parte desse desaparecimento ao nos omitir e sermos coniventes com aquilo que antes jamais aceitaríamos...te felicito pela brilahnte iniciativa

    ResponderExcluir
  2. Olá querida!!!!
    Gostei do questionamento e de ver a mandala aqui junto com ele. Poluição sonora devia ser proibida sim. É uma questão de educação e uma agressão. Costumo dizer que o volume do som do carro é inversamente proporcional ao naipe do motorista. É uma pena constatar isso. Que essa idéia se multiplique!!!
    bjossssss

    ResponderExcluir
  3. Oi Déa...
    Infelizmente o que descreveu acontece nas grandes cidades. Moro ao lado de uma pracinha e enfrente minha casa tem grandes árvores.. costumo acordar com os periquitos, quero-queros e bem-te-vis berrando perto da minha janela e digo que é bem melhor esse tipo de grito às freadas de carro que tem por perto também.
    Querida irmã continuemos a dar exemplos aos nossos pequenos.. quem sabe a juventude deles seja diferente?
    Abraços
    Karina

    ResponderExcluir
  4. Conheço uma cidade que se preocupou com o som literalmente ensurdecedor de alguns veículos equipados com potentes caixas de som. Chama-se Cabo Frio, um município-destino de cariocas, mineiros e capixabas no verão. Era tamanho o absurdo que por vezes havia mais de um carro parado, disputando bebuns e atenção. A cidade, percebendo o mal que aquilo fazia aos cidadãos - a maioria das placas dos carros atrevidos era de lá mesmo -, proibiu o ato. A reação foi um aumento na quantidadede de turistas

    ResponderExcluir
  5. Amiga querida, esta questão tem sido muito abordada no nosso centro ultimamente, para onde caminham nossos jovens? Fui adolescente, assim como você e tantos outros amigos que aqui escrevem e com certeza tivemso nossa dose de rebeldia, mas tenho certeza de que nunca desrespeitei o espaço do meu próximo. Meus pais me deram educação e lógico também vim com uma "bagagem" arrebanhada nas últimas encarnações e isto todos temos, é questão de aprender, guardar e usar. Tenho vizinhos das classes A,B e C que se juntam no final de semana (ja na sxta á noite) para ouvir "música", se é que se pode chamar de musical aquela som irritantemente alto e sem melodia alguma. Não contentes só com o barulho da música, também soltam bombinhas, rojões e gritam como se estivessem participando de algum ritual maluco de acasalamento. Vejo esta mesma cena repetir-se em diversos outros pontos da minha cidade, e olha que ela é uma das menores do Brasil em teermos de extensão , sómente 15 km2. Acho sinceramente que estas pessoas ou tem um vazio enorme que precicam preencher com toda esta balbúrdia ou são tão infelizes com seus próprios pensamentos que necessitam igualmente do caos a sua volta par atentar abafa-los. Ito me entristee, não só porque me sinto agredida, mas porque fico imaginando como será o futuro deste planeta com este tipo de habitante.Felizmente, como sou uma otimista incorrígivel, acho que ainda há esperança, semana passada fui assistir a uma aprensentação da nossa Sinfônica, executando Carminna Burana e para minha surpresa havia no auditório super lotado muiiiiitos jovens, aquela imagem aqueceu meu coração e acendeu a chama da esperança. Bjkas

    ResponderExcluir
  6. Moro a duas quadras do Politécnico da Federal do PR. Eu e mais inúmeras famílias (também assinantes de um imenso abaixo assinado, incluíndo inúmeros vídeos), somos testemunhas do quanto os "estudantes" bebem, se drogam, desrespeitam a todos e sujam a cidade. Justo eles, a quem se espera que tomem nas mãos os futuros desígnios do país...

    Eu me pergunto: que tipo de médicos, dentistas, psicólogos, engenheiros, etc estarão, em breve, se formar?
    As vezes penso que a "nova geração" não sabe o que fazer com tantas facilidades. O que nos passa é uma falta de objetivo de vida associada a um descompromisso total com tudo.

    1- são jovens que não precisam estudar, pois a concentração se inicia após as aulas e só termina à madrugada; logo, são todos gênios ou o ensino universitário hoje está relaxado;
    2- são jovens, na totalidade, que dirigem, bêbados, seus próprios veículos, na maioria bons carros; logo, não precisam trabalhar (e, consequentemente, não precisariam usufruir de uma escola pública), postergando preocupações com o futuro, como que se soubessem que vão herdar destinos ou que serão encaixados em cargos, públicos ou privados;
    3- a luta das mulheres pelos direitos iguais está, não intencionalmente, claro, gerando uma leva de meninas que bebem, se drogam e se deixam levar, tranquilas, pelos rapazes seja no capô de um carro, seja numa pequena moita e que, dado seu estado, acabam largadas em qualquer lugar, tipo “peso morto”. E isso é um fato observado e comentado, quase que diariamente, aqui na região. Já tive que arrastar uma menina (uns 17 anos) caída na calçada de casa para que eu pudesse passar.

    São dezenas de carros que saem, todos sem exceção, pela madrugada, com motoristas incapazes de tudo, verdadeiros estopins prestes a detonar armas velozes e letais.

    Os órgãos públicos, por sua parte, ficam na falta de vontade (justificada por inúmeras razões) em assumir o seu papel de gerenciar.

    Parece que todos esqueceram do passado, da luta que tantos outros universitários tiveram, seja pelo voto universal, seja pelos costumes libertos, seja pelo fim da repressão, seja pela afirmação da democracia.

    O povo que esquece sua história está fadado a repetí-la. Então, sigamos!
    Diana NG

    ResponderExcluir
  7. Olá!!
    ótimo Post, concordo plenamente nisso que você escreveu a cima, nossa cidade esta um caos. Nossos domingos que antes eram calmos e tranquilos hoje viraram festas ao ar livre, com jovens alcoolizados e muitas vezes drogados que por motivação de "amigos" fazem besteiras.
    Gritemos por uma cidade melhor, e por uma civilização ciente de que musica e algazarra não mudará a sua vida para melhor e sim piorar mais do que possa estar.
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  8. se mil vezes eu vier , mil vezes serei filha de oyá!!!faz parte de mim. sou o ar em movimento , não me vejo se não for assim. adoro quando posso parar esse vento e transforma lo em brisa leve... como agora ao ler seu post......... obrigada por existir, DEUS abençoe teus pensamentos, tuas mãos. axé....... dirce mendes de oyá

    ResponderExcluir
  9. Andréa
    O grande segredo da nossa natureza (des)humana é que não nascemos prontos, estamos em constante construção, em diferentes níveis.
    Resta-nos aprender a conviver com o diferente, sem intolerância.
    Rogers, um psicólogo americano, propõe que todas as relações humanas deveriam ser baseadas em um tripe: autenticidade, empatia e consideração incondicional.
    Se a gente conseguisse fazer deste tripé o processo de nossa existência, a gente conseguiria conviver pacificamente com o diferente, aceitando e tolerando que todos temos o direito de evoluir a partir do nosso próprio tempo.
    E não tem Orixá mais certeiro do que ele: o Tempo.
    Axé pra ti.
    Beijos
    Ana França (@accfranca)

    ResponderExcluir
  10. A forma como muitos pais educam seus filhos de uns tempos para cá é bastante equivocada. Dar liberdade total, sem limites não é educar. É simplismente transformar uma criança num adolescente, e mais tarde num adulto, que não sabe conviver, não sabe respeitar limites, tampouco o espaço do outro. Isso não tem nada de positivo.
    Todo ser humano é capaz de aprender, coisas boas e coisas ruins, a diferença está nos estímulos que nós adultos oferecemos. Por isso é preciso que haja um basta, que se exija respeito. Sem movimento nada muda sozinho. Tem vezes que é preciso uma ventania pra carregar o que não está bom e transformar a realidade...

    ResponderExcluir
  11. Poxa, Andréa. Você foi muito profunda em suas observações. Sem dúvida alguma que muitos não abrem os olhos para a vida, para o verdadeiro significado que é a vida. E é uma pena que muitos preferem ouvir música alto, mas se negam a ouvir o canto de pássaros. É triste isso. Isso é uma ausência.

    ResponderExcluir
  12. Eparrei Oyá!

    Querida, ainda temos muitos e muitos degraus(existências) para amadurecermos! Ainda aprendemos mais pela dor do que pelo amor...Mas, chegaremos lá...

    Nossas crianças se perdem, mas também são espíritos milenares...Por que você acha que os dois piores defeitos que temos (EGOÍSMO e ORGULHO) foram os mais combatidos por Jesus Cristo??

    Porque abrem as portas a muitos outros...Nossa verdadeira natureza interior é sufocada constantemente por eles...Nosso pior inimigo, somos nós mesmos!

    Vigiai e Orai..Trabalhemos pelo BEM...e vamos seguindo adiante...

    A vida é uma só, as existências dentro delas é que são muitas e são as grandes professoras na nossa evolução para chegarmos ao AMOR!

    beijocas

    ResponderExcluir
  13. Amiga.... imagina em âo paulo... que o povo nem conhece seu vizinho?...passarinho é espantado aos berros...mas o (des0humana tem muito que aprender...não sabe conviver com o semelhante (as vezes nem consigo mesmo)imagina coma anatureza que é uma dádiva de Oxalá?

    ResponderExcluir
  14. CONVITE

    Primeiro, eu vim ler o seu blogue.
    Agora, estou lhe convidando a visitar o meu, e se possivel seguirmos juntos por eles. O meu blogue, é muito simples. Mas, leve e dinamico. palpitamos sobre quase tudo, diversificamos as idéias. mas, o que vale mesmo, é a amizade que fizermos.
    Estarei grato, esperando VOCÊ, lá.
    Abraços do
    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Axé! Sábias palavras!
    "É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve." (Victor Hugo )
    Beijos :)
    Chryz

    ResponderExcluir
  16. Andréa querida, os problemas de sua cidade são basicamente os de todas as outras. Goiânia é uma cidade linda, com belas praças, parques, e ruas arborizadas divididas com passarelas e bancos para descanso e apreciação da natureza ambiental e humana. Mas quem se arrisca a sentar em plena tarde, de calor insuportável, para desfrutar das belezas naturais?
    Ninguém se atreve para não correr o risco de ser importunado pela poluição ambiental e por irmãos comprometidos com os vícios da matéria. Jovens que se deixam dominar pelos vícios das drogas e perdem totalmente o referencial de família. Não sei que futuros terão nossos netos, bisnetos ou a próxima geração.
    Penso que está geração, que ai está, necessita de Deus... de religião e principalmente de pais comprometidos com a educação, a espiritualidade e o futuro de seus filhos. Existem pais mais preocupados em ocupar os filhos, satisfazendo todos os seus desejos para não terem sua liberdade prejudicada, do que se ocupar da educação ou criação dos mesmos.
    Talvez os pais necessitem, também, freqüentar uma escola que os ensinem a compreender e a transmitir os verdadeiros valores e os limites que a vida nos dá, pois muitos, por comodismo, são coniventes com os valores invertidos que seus filhos acreditam. São pais descompromissados com a própria missão.
    Fui e sou, ainda, uma mãe severa, justa e curiosa em relação ao que diz respeito às minhas filhas. Serão sempre crianças para os meus olhos, possuem 30 e 35 anos. Sou mãe presente e amiga, mas prefiro ser mais mãe que amiga; por conseqüência tenho duas bênçãos em minha vida. Obrigada Oxalá!
    Sou filha de Iansã e Xangô e a justiça e a tempestade sempre foram os temperos de minha personalidade. Minha natureza é justiça em qualquer ocasião e se tudo está errado...manda ai Iansã ...uma tempestade para fazer a limpeza! Concordo com você, Andréa, sou...fui...e sempre serei filha de Iansã e Xangô, mas acredito que melhorada em cada nova encarnação.
    Obrigada, Andréa, pelos textos repletos de ensinamentos. Você é uma abençoada no dom da escrita. Que Oxalá te ilumine sempre.
    Sinta nos ventos de Iansã... a carícia do meu abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  17. A natureza humana não é estranha, é divina. Cada um de nós é um ser único. temos gostos e vemos as coisas de maneiras diferentes.

    O som de cachorros latindo, maritacas, gatos no cio, Galos as 5 da manhã, Sons de carros, Funk, rock, Igrejas, Terreiros, óperas, estudantes de bateria, buzinas em congestionamentos, Briga de casal, Choro de criança, tiros de canhão ou armas de fogo e etc .. irritam ou agradam muita gente.

    E em nenhum dos casos, são pessoas isoladas. fazemos parte de grupos. Com mais ou menos cultura. Mas fazemos parte de uma sociedade que deveria ser livre.

    Yansã é linda porque é brava. Oxum é linda porque chora, Preto velho é lindo porque ri. A beleza do universo esta em cada característica única.

    Para quem admira ou é da corrente de Oxalá entraria em extase se todos fossem oxalás. Mas o mundo perderia a cor, a sonoridade, a dança, a culinária e o direito de liberdade.

    Parabéns pelo texto

    MarquesK

    Só o Rock Alivia

    ResponderExcluir
  18. Moro no Bairro Floresta aqui em Porto Alegre,tem este nome por sempre ter sido muito arborizado.Vim pra cá por este motivo. Entre a loucura urbana, acordo com o canto purificador das aves todas as manhãs.O que me provoca uma disposição especial. Há alguns anos, a prefeitura decidiu que cortaria todas as árvores antigas para preservar as calçadas! Mas, os moradores e comerciantes (veja só!)se mobilizaram e com muita resistência dos órgãos públicos conseguimos mantê-las vivas e em seus lugares!Tenho o hábito de cumprimentá-las como aos vizinhos humanos quando passo.Graça e benção que possuímos!

    ResponderExcluir