quarta-feira, 27 de abril de 2011

Umbanda x Fast Food

Seiscentos alunos de quinta e sexta série num mesmo período. Solicitado mais uma vez, lá foi o Syrus defender menininhas indefesas de um tal menino que só corria atrás delas e assustava-as. Disseram categoricamente: Ele está fazendo bullying conosco (porque agora tudo é bullying). Imponente, este pequeno filho, afirmando sua energia do caçador que nunca vai ser caça, chegou para o tal cruel e falou, com o dedo em riste : É melhor que você pare com isto, não tem mais o que fazer? E mais uma vez o pequeno Oxóssi com cara de Justin Bieber, salvou as meninas . Elas, agradecidas, queriam saber se ele conhecia o algoz: Sim é meu irmão! Quando chegar em casa vou contar tudo pra minha mãe ,não se preocupem.
Filho quando começa falando: Veja bem mamãe..... nunca quer de fato que olhemos para a ação cometida. Foi como o Dyogo começou, e ,logicamente terminou falando que não era justo o Syrus se meter na vida pessoal dele, o bullying era contra ele no fundo, mas muito no fundo mesmo. A tal palavra bullying hoje está sendo usada do maternal até o Senado, fazer o quê?
E mais uma vez adotamos uma palavra que servirá tanto para justificar, quanto para acusar. O ser humano está cheio destas palavrinhas que são sacadas rapidamente. E vou falar uma coisa: ou cada ser se define, define suas idéias e concepções sobre verdadeiro ou falso, pratica uma vida pés no chão, ou está fadado a passar o resto de sua vida em conjecturas inúteis. 
Tenho quatro pessoas que amo de verdade com câncer no momento.Uma das melhores coisas que fiz foi ter escutado o Dr. Dráuzio Varela num programa chamado Roda Viva, falando sobre este assunto. Ele simplesmente odeia que falem que uma pessoa se curou de câncer porque tem muita força de vontade. Falou que é inconcebível pensar que alguém não queira se livrar desta doença. Outra coisa muito importante a ser lembrada é a sensação de culpa que se incute no doente.  O câncer é uma alteração genética na célula e ponto. Não se sabe muito sobre ele, mas existe desde que a humanidade existe e tem cura registradas desde o tempo do Egito Antigo, mas cada caso é um caso. A minha fé vê em cada um deles um herói, que cumpre sua função nesta existência, hoje mais rejuvenescidos do que ontem, fazendo algo que deveríamos ter em conta: vivendo um dia de cada vez.
Temos que cuidar dos nossos "falares". Palavras têm força e crescem em proporções por vezes exageradas. Um teólogo chamado Luis Solano Rossi recentemente relançou seu livro "Jesus vai ao Mac Donald's"  falando sobre o consumismo nas religiões católica e protestante, onde cada vez mais o que conta é a transformação de Jesus em produto. Em determinado ponto da entrevista ele fala o seguinte " O impacto se dá em dois momentos. O primeiro é na formação de uma cultura que nega a coletividade, fazendo com que a teologia deixe de ser vista como um instrumento de proteção da vida, principalmente da vida dos mais vulneráveis, para se tornar um instrumento individual. O segundo impacto é que o fiel começa a pensar mais no seu sucesso e bem estar pessoal do que nos outros. Para atender a esse desejo, muitos migram de uma comunidade para outra, seja católica ou protestante, como se fossem lanchonetes de fast-food. Se a pessoa percebe que igreja tal tem uma certa eficiência, se ouve que lá dá resultado, então se muda. Desa­­parece o compromisso com uma doutrina, uma história, uma tradição."
Infelizmente isto não está restrito apenas a  estas religiões. Vejo pessoas  se movimentando entre Terreiros de Umbanda da mesma forma. E cada vez mais se perdem em meio aos seus próprios egos, porque querem alguém que decifre tudo de imediato e acabam por nada entender. Em nenhum momento, nesta minha caminhada me falaram que se eu desenvolvesse minha mediunidade iria me transformar numa popstar, muito pelo contrário. Existe uma linha tênue entre o bem e o mal neste mundo.  Não se pratica a Umbanda sem caridade, sem pensar na coletividade: é impossível. Quem é caridoso não profere palavras que vão contra o prosseguimento da vida, da fé. Com a caridade e com a fé em novos dias, o amor irrestrito passa a ser imperativo nos corações.
O amor , antes de ser algo só poético, constitui-se em um exercício que deve ser praticado todos os dias e uma barreira intransponível para qualquer tipo de mal. Não é fácil sair amando por aí não. Tem que aprender primeiro o que é humildade, depois aprender a observar a beleza que há num mundo onde cada um está num nível diferente, dentre muitos outros itens. Nisso, uso como apoio um pensamento de um filósofo bem conhecido atualmente: o Mario Sergio Cortella. Não nascemos prontos, quem nasceu pronto e envelhece com o tempo é geladeira, fogão.Nós nascemos não-prontos e vamos nos fazendo com o tempo. Isso nunca acaba de fato. Posso amar hoje,mas ainda não sei amar e entender o amor na plenitude.
Caí na palavra que gosto: entendimento. Vão lá no blog do Pai Maneco e vejam quantas perguntas já fiz, além das que tenho guardadas no meu email. Hoje eu entendo que se pergunto cada detalhe mínimo, estou também encerrando ali uma pergunta subliminar: painho, será que consigo passar a mensagem do amor Divino?
Uma amiga assistiu a gira ontem e agora há pouco me falava: Andréa prestei bastante atenção nos atendimentos da entidade que estava com você: entravam muito sérios e saíam leves e sorrindo. Ontem eu consegui deixar a entidade passar a mensagem, bom. Há outros tantos dias pela frente e tanto o que se aprender ainda, que nem dá tempo de ficar enebriada com este passo a mais dado por mim e com certeza por tantos outros.Volto no Cortella: a sensação de felicidade neste caso tem que ter o tempo do cozimento de um miojo: passou de três minutos vira gosma.
A arrogância está aí sendo disseminada e ninguém faz nada. O arrogante não evolui, porque já sabe tudo. Alguém em algum momento tem dizer que o tecido não existe e estamos nus. O médium não pode cair no engôdo de que nunca fará algo errado. Nós, como pessoas além de qualquer religião, não somos infalíveis, antes estamos nesta vida aprendendo a cada minuto. E precisamos pensar no que aprendemos. E, ao contrário disto é o que mais  se propaga nesta rede mundial que habitamos. Se você não entende que está num contínuo processo de aprendizado, em que cada detalhe do seu dia traz um novo conhecimento, como você vai passar isto às gerações mais novas? Notaram que as crianças da cidade já não perguntam tanto? Nem os adultos. Eles simplesmente não tem o que explorar, já sabem tudo.
Um pouco chateada com esta falta de horizontes, deixo aqui um pequeno texto, desejando que todos recuperem a criança que se espanta com a vida e sonha com o inacreditável:
"Paulo tinha fama de mentiroso. Um dia chegou em casa dizendo que vira no campo dois dragões da independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas. A mãe botou-o de castigo, mas na semana seguinte ele veio contando que caíra no pátio da escola um pedaço de lua, todo cheio de buraquinhos, feito queijo, e ele provou e tinha gosto de queijo. Desta vez, Paulo não só ficou sem sobremesa como foi proibido de jogar futebol durante quinze dias. Quando o menino voltou falando que todas as borboletas da Terra passaram pela chácara de Siá Elpídia e queriam formar um tapete voador para transportá-lo ao sétimo céu, a mãe decidiu levá-lo ao médico. Após o exame, o Dr. Epaminondas abanou a cabeça: -Não há nada a fazer, Dona Coló. Este menino é mesmo um caso de poesia". (Carlos Drummond de Andrade).

24 comentários:

  1. sejamos todos, então, casos de poesia, amor e alegria, mana.
    que não só de brutalidade, realidade e injustiça anda o mundo - mas também da nossa esperança e fé em construir uma vida melhor.

    saravá vosso talento!;)
    bjobjo

    ResponderExcluir
  2. Adoro seus textos!!! Aprendo com eles.Saravá!!!

    ResponderExcluir
  3. PARABÉNS (MAIS UMA VEZ) PELO SEU TEXTO.
    AS PESSOAS SÓ DEVEM FAZER AQUILO QUE TEM CORAGEM DE CONTAR.
    AMAR É, ACIMA DE TUDO,GENEROSIDADE.


    GODOY

    ResponderExcluir
  4. Aaaah, eu compartilhei lá no facebook... texto sensacional!!!

    ResponderExcluir
  5. A cada texto uma nova lição ! Humildade...

    ResponderExcluir
  6. "não somos infalíveis, antes estamos nesta vida aprendendo a cada minuto. E precisamos pensar no que aprendemos."
    Obrigada, por fazer com que eu aprenda a cada dia.

    Godoy,estou com contigo e não abro.

    beijos minha amiga

    ResponderExcluir
  7. Querida Andrea

    Perfeito seu texto e hoje veio a calhar. Logo cedo ao ler o jornal e a indecência ocorrida mas uma vez no Congresso minha indignação e revolta me fez escrever no TT alem da frase da manhã toda a minha revolta. De um lado foi fantástico porque pude exercer meu direito a liberdade de expressão e acalmar minha alma que clama pela Justiça Universal.
    Com isto minha alma foi se apaziguando e novamente entrando em equilíbrio. Penso sempre: Jesus deu um lado do rosto, depois o outro e nos Vendilhões de jerusalém mostrou a que veio.
    Obrigado por poder me presentear sempre com suas palavras.
    Um abraço e um beijo de uma alminha que transita neste planeta com a força do Amor Incondicional.

    Marisa Cruz

    ResponderExcluir
  8. Tania Costa Ramil27 de abril de 2011 19:10

    É sempre um aprendizado e um alivio n'alma ler seu texto especialmente, no final do dia...
    Parabéns e obrigada por me colocar da sua listinha...beijão

    ResponderExcluir
  9. Ser vitima de bullying realmente esta na moda, colocar a culpa nele, também. Acho que as pessoas deviam se preocupar em procurar justificativas pra erros dos outros ou para os delas mesmo. Aí começam a aparecer religiões sendo comercializadas, onde quem tem a solução pro seu problema é a melhor, como se suas justificativas fossem aceitas e seus problemas, por trás das justificativas, fossem todos solucionados de uma vez por ela. Acho que religião não é psicólogo, religião é não troca de favores, religião sou eu e o que eu acredito vivendo em harmonia, eu e minhas respostas no que eu acredito ser o certo, eu e minhas opiniões respeitando as dos outros.
    Adorei seu texto, confesso que estou meio 'viciado' em te ler.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Oi Professora, acho que assistimos o mesmo "Roda Viva", confesso que nao tive paciência para assistir todo, acho o Doutor supra citado meio fatalista, apesar de admirar o trabalho que ele realiza. ( Eu sou um desses casos de poesia, contos, fabulas e por ai vai...) hoje uma amiga nossa lá do TT comentou um texto antigo no meu Blog e disse que o usaria em uma de suas palestras, e veja a coincidência, o texto fala sobre relações fast-food, fiquei feliz por ela ter me visitado e por voce usar o termo no seu post. Enfim, e o acaso que nos acompanha. Gosto muito dos seus textos, pois voce nao fala para um publico exclusivo, nem para uma faixa etária, voce fala para pessoas, e isso faz toda a diferença. Subi mais um degrau na minha caminhada rumo ao Modelo Ideal em que eu acredito. Obrigado. Parabens.

    ResponderExcluir
  11. Andréia !! aprendendo a cada postagem !! Muito bom mesmo

    ResponderExcluir
  12. Ótima analogia! Simples porém vai no ponto certo!
    Mais uma vez parabéns pelo texto!
    Fica com Deus e boa noite!
    =D

    ResponderExcluir
  13. Andréa, foi um prazer enorme ler seu texto! Cheio de sensibilidade e razão. É uma pena nem todos terem acesso a palavras tão bonitas e que nos fazem refletir, pois cada linha do que disse é uma verdade, uma lição!
    Parabéns e continue irrandiando essa bonita luz que te faz escrever coisas belas como esta!

    ResponderExcluir
  14. Andréa, foi um prazer enorme ler seu texto! Cheio de sensibilidade e razão. É uma pena nem todos terem acesso a palavras tão bonitas e que nos fazem refletir, pois cada linha do que disse é uma verdade, uma lição!
    Parabéns e continue irradiando essa bonita luz que te faz escrever coisas belas como esta!

    ResponderExcluir
  15. Só tenho uma coisa a dizer sobre seu texto: PERFEITO!

    Beijos amada!

    Angela / Luzes e Sonhos
    http://luzesesonhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Minha kerida!
    Sua matéria está otima, e em relação ao Dr. Dráuzio eu tbém assisti a mesma matéria, nada contra, só q as vezes ele me assusta pela forma kando se refere a uma religião, sempre responde q é ateu como fez kando a Marilia perguntou, com isso imagino kando vai tratar um paciente qual esperança dar a ele, se ele n acredita em nada , me parece estranho n acha??? Abção!!

    ResponderExcluir
  17. Concordo com você em partes sabe Adriene? Agora algumas pessoas se dizem adeptas ao ateísmo por simplesmente serem muito analíticas quanto ao processo da fé. Creio que pelo depoimento dele desde o começo ele subtraiu a fé do processo de cura para não criar diferenças entres os doentes. Acho terrível quando uma pessoa fala assim: fulano não vai se curar porque não crê , vamos colocar assim, na minha religião. É um absurdo! São tantas as variantes que levam à doença quanto à cura. Dr. Dráuzio dá um grande depoimento quando fala que a cura do câncer existe sim! Sempre existiu. Isso creio eu que auxilia sim na fé da recuperação de qualquer ser humano.
    Agradeço a todos que expõe suas opiniões aqui e sempre auxiliam com isso a engrandecer e melhorar o texto!

    ResponderExcluir
  18. Andréa,obrigada pela resposta>>> Mas acredito tanto na cura como da forma dita por ele, como acredito que a fé remove montanhas , como dizem, mas acho q tudo tem um por que.. Então sou do tipo q se estamos nesta vida tem um motivo, e ele disse que morreu acaba, por que tanto aprendizado em vida p simplesmente acabar.. Eu acredito q deve ter algo depois, para aproveitarmos nossa passagem nesta vida. Bjos...

    ResponderExcluir
  19. Andrea querida!!
    Poesia é a vida ...é tudo que a gente aprende.Como sempre sua habilidade e maestria em temas atuais e verdadeiros.ADOREI..beijossssss

    ResponderExcluir
  20. A sociedade de massa, que é presente em grandes centros urbanos onde tudo é tão rápido quanto se pensa, força-nos aos modismos de palavras que se traduzem em atos.

    Seja "bullying", pedofilia ou "acabou em pizza", a tentativa dúbia de traduzir o que rende audiência nos meios de comunicação é evidente.

    Tudo é questão de raciocinar o que é certo ou errado, o que é o bem ou o mal - e concordo sobre “... uma linha tênue entre o bem e o mal...". ("Umbanda x Fast Food" - Andréa Destefani)

    O dúbio existe na tentativa de questionar o que ocorre neste mundo de modo arbitrário. E, muitas vezes, este questionar torna-se julgar. Não devemos julgar, está escrito na Bíblia (em Mateus caso não me engane) e até em inúmeros livros de auto-ajuda.

    O professor que maltrata os alunos é assim porque sofreu "bullying" quando criança - justificativa banal mesmo que verdadeira. A criatura formou-se, teve a oportunidade de novos conhecimentos, experiências e fatos de boas práticas no ensino e, ainda assim, insiste no passado inglório que sofreu. Triste!

    Porém, proporciona audiência para a massa!

    O portador de câncer que está em tratamento tem o mérito de querer extirpar a doença, mas tem o dever de procurar de todas as maneiras a cura.

    Porém, não proporciona audiência para a massa!

    O fato é que devemos nos ater ao que nos completa e nos alimenta: fé. Sem ela, independente de religião, a massa é amorfa, vazia e morta e desconhece o teor do bem ou do mal.

    Não tenho religião, mas acredito em Deus! - Um exemplo fútil de fé. Mas, acredita no Ser Superior que nos anima, pelo menos!

    A religião guia a massa. Fazer parte de uma crença é aplicá-la com fé e fazê-la ser conhecida para que outras pessoas saibam o que é proposto.

    Como um almoço demorado onde se saboreia cada garfada e se agradece o alimento e não o "fast food" das criaturas "pinga-pinga" de centros espíritas, assembléias, sinagogas, ilês e tendas de Umbanda afora.

    Há que ter bom senso em enxergar o quanto certo ou errado nós estamos sem culpar aos outros por nossos insucessos.

    Seu texto impõe à reflexão e isto é ótimo!

    ResponderExcluir
  21. Olá Andréa,
    Seu texto é lindo como o primeiro que eu li e me mostrou que estou no caminho certo de sempre perguntar o porque das coisas. Não me contento com qualquer resposta, quero saber no que é fundamentada, quais são os argumentos e se é coerente. Já cheguei a confrontar pessoas de nível de entendimento maior que o meu, pois a resposta que me foi dada não tinha coerência e nem argumentos consistentes.

    Seu texto veio bem a calhar, estava conversando com a minha professora de geografia e comentei que preferia os velhos tempos aos novos, pois antigamente as pessoas se importavam mais umas com as outras, se importavam mais com o espiritual do que com o material. Hoje as pessoas se importam somente com o agora, essa vida, com o quesito material e trocam de igreja, terreiro ou religião com a mesma velocidade que respiram, basta ouvir que tal igreja, terreiro ou religião está dando resultados. Isso é lamentável e mostra que os seres humanos ainda tem muito o que aprender. E para completar essa mentalidade, muitas pessoas são arrogantes, cheias de si, crentes de que sabem de tudo, contudo caem do cavalo quando tem que acertar as contas com Deus, provar a Deus seu tão grande conhecimento, sua sabedoria e perceber que perto Dele, você é um bebê aprendendo a andar e que todo o conhecimento que você disse ter não é nem 0,5% do que Ele sabe, mas analisando, se sabemos tudo, então o que estamos fazendo aqui? Para que encarnar se não há nada para aprendermos? Todo o conhecimento só a Deus pertence. Somos espíritos em constante evolução, em constante aprendizado e essa condição nos mostra que não sabemos tudo.

    Termino este longo comentário deixando uma frase conhecida de Sócrates para que sirva de reflexão para muitas pessoas que aqui passarem: "só sei que nada sei."

    Até o próximo comentário. :)

    ResponderExcluir
  22. Então Bruxinha,
    No caso do compromisso com a doutrina será que não seria necessário entender a diferença entre "uso" e "função" ? Visto que,ao que me parece , estes dois conceitos não estão sendo compreendidos ainda.Talves deixar-mos de ser "Utentes".

    TEXTO MARAVILHOSO ,como sempre!!!!!
    PARABÈNS!!!!!!
    Beijo,
    Cátia.

    ResponderExcluir
  23. Belo texto, com questionamentos enriquecedores.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  24. Gostei muito, mas muito mesmo da parte em que igrejas fazem de Jesus um produto. Se ele estivesse vivo em carne e osso, faltaria chicote e sobraria muita bunda pra ele bater. http://www.guugao.com.br o seu site de links da web brasileira.

    ResponderExcluir