domingo, 23 de maio de 2010

Alterando Conceitos, Revendo Espaços




Sempre falo aos meus filhos que quanto mais preconceito tiverem, menos possibilidades de crescimento intelectual terão. E esta é uma das virtudes de filhas de Yansã, onde há alguém preconceituoso há uma delas pelo menos para contradizer. Sem poder sair de casa, este final de semana ,fiquei assistindo o canal Futura e me deparei com uma resposta, a uma antiga pergunta,que fez com que ocorresse um download em meu cérebro. E colocarei aqui minhas idéias, para que discordem ou concordem,mas que acrescentem seus pensamentos.
Falavam sobre a Teoria das Cordas da física e a sua unificação na Teoria M, que vem a ser a teoria que explicará tudo no universo. Basicamente ela explica que vivemos 11 dimensões e não só as quatro que conhecemos(altura,largura e profundidade e tempo que conseguimos perceber mais ou menos). Vou deixar algumas referências aqui para que leiam e vejam os vídeos. Confesso que a profusão de idéias que vieram a minha mente me deixaram um pouco confusa e fui consultar meu filho mais velho, que conhece bem essa matéria, para atestar a veracidade dos fatos.Ele me disse o seguinte: algumas considerações não podem ser tiradas do seu contexto mesmo, se tirar esse ramo do contexto vira filosofia. Na dualidade onda-partícula de partículas nanométricas é dificil trazer isso pra elementos maiores. No caso da física quântica e não desta teoria, pois existem mesmo as 11 dimensões. O primeiro pensamento que me veio foi o de alegria por ter um filho tão inteligente e a segunda foi como tornar esta minha explicação de fácil acesso.
Não temos capacidade mental de visualizar estas 11 dimensões, nem fomos treinados para todas, mas estamos inseridas nelas. Um grande exemplo é a dimensão do tempo:5 minutos de alegria imensa não se sente, já 5 minutos sangrando é a eternidade...O que ocorre aqui é que a maioria das teorias dos ditos místicos vai se confirmando pela Física moderna.
Na minha divagação leiga destrinchei algumas das perguntas que orbitam em minha mente. Uma delas é sobre a praticidade destas leis Físicas na Umbanda. Painho sempre fala que o número sete na Umbanda, com relação os Orixás é um número limitador. Com esta teoria ele passa de um número limitador para complementar: nós médiuns somos a representação de 4 dimensões e as energias dos Orixás complementariam as 7 restantes, para que possamos ter ,no momento da gira a capacidade de unirmos dois universos paralelos em prol da caridade. Difícil? Não tanto.
A Teoria M serve para explicar as energias da natureza e a Umbanda trabalha com elas, mesmo não tendo uma explicação para todos os fatos. Trata-se da união momentânea de dois universos paralelos utilizando a energia provinda da natureza por exemplo para curas. É o equilíbrio de todos os sentidos.
A 11a. dimensão são as membranas, ou como os físicos a chamam de branas,que revestem cada universo. Nós da Umbanda quando incorporamos, como fala painho, formamos a terceira energia. Esta terceira energia é descrita na Teoria M como o encontro de das membranas dos universos paralelos.
No meu entender também os grandes iluminados foram os que detiveram o conhecimento destas 11 dimensões. Talvez o dito portal 11:11 se refira a isto, porque numa proporção parecida das 11 dimensões percebemos quatro,ou seja, 11:04.
De qualquer forma, temos sempre que agir com humildade com relação à natureza e às crenças, porque os cientistas já estão começando a visualizar o que há muito se faz na prática. Na verdade são evidências de que há algo maior à nossa volta do que nossos cérebros limitados possam conceber. Vamos ao menos nos inteirar desta que provavelmente poderá vir a ser a única teoria da física que irá explicar a sinfonia do mundo.

Este link da Wikipédia é um dos que melhor explica a Teoria M

Aqui está o link do vídeo que vi sobre a Teoria das Cordas e a Teoria M. É uma sequencia de 5 vídeos .
http://bit.ly/a5p6zl
Aqui um link em inglês ,mais técnico que explica as 11 dimensões:

9 comentários:

  1. q prazer vc me ter escolhido como aluna !!!MUITO OBRIGADA mocinha.... \O/

    ResponderExcluir
  2. Existe muito mais nesse universão de meu Deus do que a gente percebe. Um dia talvez evoluiremos o suficiente para compreender mais. A ciência e a espiritualidade não são necessariamente excludentes e cientistas que se fecham perdem a chance de ver a grandeza de todo essa obra.
    Gostei muito das divagações. Um grande beijo e ótima semana.
    Lílian Buzzetto

    ResponderExcluir
  3. Andréa ,
    Embora tenho estudado alguma coisa de física na faculdade , fiz matemática e dei aula de física durante 16 anos para o 2o.grau , confesso que sou leigo e quase analfabeto em física quântica. Vou seguir suas sugestões no links e estudar um pouco para tecer comentários sobre as idéias lançadas.
    Sou espírita , Kardecista , e tenho profundo carinho e respeito pelos irmãos ubandistas , aprendo muito com todos eles,digo,com todos vocês.
    Concordo com você com relação à nossa limitação dos sentidos diretos , para percepção das dimensões , que já são realidade e reconhecidas pela ciência , mas com relação ao número 11 , vou pesquisar , depois lhe envio comentários.
    Forte abraço,
    Alexandre

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Fiquei uns dias sem vir aqui... quanta novidade! E vou ver todos esses vídeos depois, com bastante calma e atenção. Fiquei muito interessada.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Andréa!
    Gostei muito dos textos - li os três ultimos.
    No meu pensamento: temos doze chacras,ligados a doze dimensões, dos quais sete são, no momento, os principais.
    Aonde esta o desencontro?
    Saudades suas.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Paulo querido, nada a ver com chacras....

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante a teoria, disparou um gatilho mental que me fez perceber por quê as vezes sinto o número 11 tão presente em minha vida. rsrs... estava já me sentido perseguido por este par de algarismo 1.

    No passado já cosiderei 13 também número de azar, hoje sei que é o número do seo Omolú, 13 (Odù éjì ológbon - magia).

    Ou seja, o preconceito realmente não ajuda em nada a gente a preencher, nosso espaço ilimitado, com o precioso conhecimento.

    Se saber não ocupa espaço, o espaço entre nós e Zambi é de 7 dimensões, superiores, a percorrer. Este percurso será infinito e irá durar toda eternidade, então por quê não começar agora? Na Dimensão Crística (de Oxalá) todos podemos chegar...

    ResponderExcluir
  9. gostei da teoria também.

    (e cada vez descubro mais pessoas perseguidas por 11 - não só eu. heheh.)

    e quero reiterar o que o Ronald disse e que é muito importante: independente do quanto nos separa de Zambi, nossos passos até lá devem ser dados todos os dias.

    saravá!
    bjo

    ResponderExcluir